Padrão

Padrão

António de Abreu; Diogo Cão; Bartolomeu Dias

Destinava-se a assinalar a presença de portugueses e os direitos de posse de Portugal.

Símbolos não só de prioridade e domínio político, como de consagração dessa terra a Deus e à Igreja.

O Padrão esculpido com as armas reais usadas desde D. João II a D. Sebastião e encimado por uma cruz é puxado com o apoio de cordas por António de Abreu, Diogo Cão e Bartolomeu Dias. Foram estes últimos dois mareantes (navegadores)  os primeiros a assentar estes marcos de pedra ao longo da costa sudoeste e sudeste africana.